Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Brasão

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso


Quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020 15h57


segurança

Faissal solicita estudo de viabilidade para privatização de presídio

O local é o Centro de Detenção Provisória de Jovens e Adultos de Várzea Grande

CAROLINA COUTINHO / Gabinete do deputado Faissal



Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O deputado estadual Faissal Calil (PV) propôs, via indicação na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), um estudo de viabilidade da terceirização operacional do Centro de Detenção Provisória de Jovens e Adultos de Várzea Grande ao secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, e cópia ao  secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante.

O centro de detenção é uma unidade prisional com capacidade para abrigar cerca de mil detentos e tem propósito de desafogar presídios que estão operando acima da sua capacidade, como é o caso da Penitenciaria Central do Estado (PCE) em Cuiabá, que hoje possui a maior população carcerária de Mato Grosso, funcionando com cerca de dois mil presos acima do normal.

Segundo Faissal, a unidade prisional está inoperante por insuficiência de recursos e, diante do fato, pede urgência na solução. “Estou cansado do 'prende e solta'. Isso acontece por falta de espaço nas cadeias, o que não é novidade para ninguém”, afirmou o parlamentar. 

Mato Grosso possui aproximadamente 6.878 vagas nos estabelecimentos prisionais e 9.336 pessoas presas. "Os números comprovam a necessidade da privatização do centro, onde poderá ser cobrado alimento e pousada, tornando-se uma agenciadora de empregos sob a fiscalização direta do estado e centro de ressocialização, que será atingida através dos trabalhos desenvolvidos pelos presos", lembrou o deputado. 

“Por isso estou propondo um estudo para viabilidade de terceirização desse presídio. Eu acredito que seja uma saída. Esse custo vai ser arcado pelo próprio detento, que trabalhará para arcar com os altos custos que ele gera para o estado e para a população. O fruto do crime tem que ser usado para combatê-lo”, destacou Faissal. 


Gabinete do deputado Faissal