Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Brasão

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso


Quinta-feira, 5 de março de 2020 10h58


TRABALHO

Faissal solicita termo de cooperação para contratar reeducandos em serviços auxiliares na AL

Parlamentar compara que mão de obra de reeducando terá menos custo do que trabalhador comum.

CAROLINA COUTINHO / Gabinete do deputado Faissal



Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

Com o objetivo de ressocializá-los e prepará-los ao mercado de trabalho, o deputado estadual Faissal Calil (PV) requereu à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) para firmar o termo de cooperação com a Fundação Nova Chance, unidade vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), para contratação de reeducandos do sistema prisional  em serviços auxiliares na Casa de Leis. O requerimento foi apresentado nesta semana, durante sessão plenária.

"Requeremos essa indicação para o recrutamento de pessoas aptas ao trabalho.  Tenho reforçado muito aqui  na Casa de Leis, principalmente àquelas funções  meio e burocráticas, que podem ser exercidas  por reeducandos.   No entanto, os agentes penitenciários têm classificados, pois tem pessoas habilitadas ao exercício das funções", explicou o deputado Faissal Calil, ao comentar uma notícia que  repercutiu em uma  emissora de TV  em  Cuiabá, que o  deixou espantado.  

"Uma empresa do Paraná foi contratada  para  servir café nos gabinetes da Casa", afirmou  o parlamentar, ao destacar que não tinha conhecimento da contratação do serviço pelo Poder Legislativo.

O deputado justificou que "a reinserção social  das pessoas  que estão em privação de liberdade é fundamental para uma sociedade sadia. O trabalho dignifica  o homem e dá sentido  a sua vida, eleva-o social, moral, fisica e familiarmente, assim  preparando e mostrando  aos apenados formas  de contribuições  para o desenvolvimento  nas várias dimensões da vida".

Segundo Faissal, contratar um reeducando  tem custo de mão de obra menor do que trabalhador  comum, porém o estigma e o preconceito acabam por  marginalizar ainda  mais  essas pessoas de seu convívio.  "Pois cuidar do sistema prisional é cuidar também da segurança pública”, completou.

Ainda, o parlamentar reforçou que "a Casa do Povo tem o dever de romper com essa barreira social e estender a mão para esses homens e mulheres, oferecendo  a oportunidade  de auxiliá-los  na sua  recuperação  e na assistência  familiar  por meio  do trabalho remunerado".


Gabinete do deputado Faissal